Rua do Torno

"És Rua do Torno? Rua do Casal? O refrão diz não, não, não, não."


O teu nome é uma daquelas coisas que se perde em tradução.
De sangue rosa azulado em nobreza e não só mesa, tecto, colchão.

O meu nome foi só outra coisa rabiscado na parede, a tua lousa.
De aparatoso há quem o ache piroso mas tu também és cor-de-rosa.

E é rosa de cheiro? É rosa de gládio? Botão de betão?
Não, não, não, não, não...

Recordações são palavrões nortenhos, asneiras banalizadas.
O meu vernáculo é o do habitáculo das 13 assoalhadas.

Recordações da casa cor-de-rosa. Estás colmatosa, eu adormeci.
Vais devoluta e eu não estou de volta, mas ainda acordo em ti.

És rua do Tordo? Rua do Casal? O refrão diz
Não, não, não, não, não...


Samuel Úria,
Rua da Fonte Nova 171

Sem comentários:

Enviar um comentário